domingo, 4 de novembro de 2018

Meias Verdades

“Não tenho ambições nem desejos 
Ser poeta não é uma ambição minha 
É a minha maneira de estar sozinho”


Ser sozinha é a coisa mais triste que existe.
E eu não sei viver de outro jeito.

Uma semana fria: mamão, melão, uva, iogurte, leite e cereais.

Assistindo ao documentário “Feministas: o que elas estavam pensando?”, que está na Netflix, não consegui – ainda – me livrar da sensação dúbia que me acompanhou. Por um lado uma intensa empatia e afeto por aquelas pessoas, aquelas mulheres, seus sonhos, suas realizações, suas frustrações, suas dúvidas; por outro uma avassaladora sensação de inutilidade, de impotência, de irrelevância. Chorei litros, claro.


De tudo, tudo, vai comigo a questão: “o que vai matar você?”

Não é que eu mesma seja triste, nopes. Sou das alegres. Ou nem, sou das contentes – se é que há real diferença.

Eu tenho essa curiosidade de saber o impossível, se e como sentiriam a minha falta. Mas já dava pro gasto saber se você me lê.

Estava fazendo a ronda de sempre nos blogs que leio e fiquei matutando. Eu sempre hesito quando me perguntam de onde eu sou. Devia ser uma resposta simples, não é? Ou dizer onde moro ou o lugar de nascimento. E, no entanto. Pois é. Há muito que eu não sei dizer sobre mim, não porque desconheça, mas porque as palavras são insuficientes. Ou a coragem para enunciá-las, vai saber. Eu sou daqui, de mim, poderia dizer e não seria falso. Mas também não seria a verdade. Ou não toda, sussurra a psicanálise.

Todo mundo falando de como esta campanha adoeceu as pessoas. Não sei quem fui que liguei para o analista depois de uns 20 anos da travessia, seja da rocha da castração, seja da fantasia. Não, não deixei recado. Ainda.

Minha irmã já arrumou a casa pro Natal e eu tenho livros empoeirados decorando a escada.

A verdade é que estou precisando de mar. Deixar arder o sal nas feridas. Mergulhar e confundir maresia e lágrimas. Lavar a alma ou tirar a areia do biquíni, sei lá.

Eu poderia te amar, mas nem eu nem você sabemos ao certo o que isso quer dizer.

[haveria muitos beijos. e abraços. e cafunés. e pernas enroscadas. e toques, muitos toques. mãos que se encontram meio sem porquê. e cafunés, eu já disse? e nariz fazendo cócegas. e abraços no meio de uma praça, apenas para rimar com o tempo que já foi - ou que podia ter sido]

E, no entanto, não há verdade maior do que cantarolar, enquanto releio cartas antigas, “se você quiser eu vou te dar um amor, desses de cinema”. Foi assim que aprendi a amar, suspeito. Com desvios encabulados do olhar e lábios oferecidos. Não, não foi a amar que eu aprendi, foi a saber histórias. Se você quiser, eu vou te dar uma história de amor, dessas de cinema.

Então, fica o plano: um fim de semana na praia, antes do ano acabar. E, por agora, o filme do Chet Baker. Obrigada, Netflix.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...