quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Cresce feito mato

No jardim das vidas não vividas, arrependimento é mato.

Aquela dúvida entre comida gostosa e sujar a cozinha limpinha.

Ontem passou na minha tl uma imagem do filme “As 7 Caras do Dr. Lao”. E eu fiquei pensando no quanto fui sendo despretensiosamente forjada por tantas sessões da tarde e corujões. Tenho absoluta convicção que eu nem seria eu sem ele. Aprendi sobre pessoas enzimas catalisadoras. Sobre desejo. Sobre a mágica das/nas desimportâncias. Aprendi sobre a importância do olhar do Outro, do reconhecimento do Outro pra que nossa própria magia aconteça. E aprendi sobre como encarar a compreensão de um futuro de solidão e esquecimento com, como direi, elegância?

Acho que desaprendi a viver o cotidiano. Apesar disso aquela alegria levinha de encontrar a amiga na porta do shopping.

você lembra, lembra, naquele tempo eu tinha estrelas nos olhos...

Não sou de nostalgias, mas sinto saudades da psicanálise.

Assistindo Trapped e pensando que morar no semiárido nem é de todo mau.



Vira e mexe é preciso recordar:

"Sabe porque, visconde, nunca tornei a me casar? Decerto não foi por falta de encontrar partidos vantajosos; foi simplesmente para que ninguém se desse ao direito de questionar meus atos. Não que eu temesse não poder mais realizar minhas vontades, pois isso eu sempre acabaria por fazer; mas me incomodaria o mero fato de alguém sentir-se no direito de queixar-se; e enfim, porque queria trair apenas por prazer, e não por necessidade"

...e às vezes é muito, muito difícil, sustentar.




Um comentário:

Renata Lins disse...

1. estou assistindo Trapped tb
2. tava ouvindo Roupa Nova cantando isso ontem ou anteontem
3. não adianta, continuo vendo a Emília primeiro. :)
<3
#sintonias

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...