segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Em Algum Lugar

Em algum lugar de mim, uma esperança. Em algum lugar de mim, uma saudade. Em algum lugar de mim, rumores, memórias, histórias. Nesse lugar, ou em outro? desejos. Que não ouso nomear. Em algum lugar de mim, risadas, portas e janelas escancaradas. Há cores e cheiros, como em uma cozinha. Em algum lugar de mim, sombras. E dores. E corpos estendidos, eu ignoro os abismos. Os que me acompanham, às vezes, precisam saber voar. Eu aprendi a morrer, já que não me cresceram asas. Em algum lugar de mim, o pranto, a perda, o peso. Em algum lugar de mim, a coragem. E os passos, que um dia eu quis que fossem de bailarina.

Em algum lugar de mim a menina, brincando descalça no asfalto, jogando bola, olhos arregalados vendo bonecas de pano que falam e sabugos de milho com título. Essa menina, em algum lugar, ainda conta histórias de finais felizes pra si mesma antes de dormir e exorciza solidões com a simplicidade de quem tem certeza de amanhãs.

Em algum lugar de mim, pernas compridas, óculos enormes, livros tão grandes quanto e muitas descobertas. Em algum lugar de mim, a adolescente e bocas alheias. E as mãos alheias. E os corpos alheios. E as alegrias, tão dela. Tão minhas. Em algum lugar, a saciedade e a fome, em looping. Em algum lugar de mim, uma biblioteca enorme, letras que permancem, invisíveis tatuagens, um mundo.

Em algum lugar de mim, o tempo, os fios brancos, as carnes mais tenras, os riscos na pele. Em algum lugar de mim, o que fica, o mar lambendo os pés, o cheiro de alecrim, a textura da pele de bebê, os sabores de botecos, os abraços que não se consegue contar, as pilhas das mais queridas leituras, os beijos sem rosto, aquele jeito de dormir sintonizado. Em algum lugar de mim, o que se repete. Os mesmos filmes, os mesmos chistes, as mesmas referências. Em algum lugar de mim o que se joga, o que procura, o que anseia. Em algum lugar de mim o que aceita, o que liberta, o que permite. Em algum lugar de mim, as palavras. Até que em algum momento, eu não esteja em lugar algum. Aí, o silêncio e fotos desbotando.


3 comentários:

Tatiana Kielberman disse...

Em muitos lugares de você, esta beleza toda que encanta o nosso olhar.

Lindo!!

Gostei muito da frase seguinte, em especial...

"Os que me acompanham, às vezes, precisam saber voar."

Beijos"

Ingrid disse...

uau!.....
ler em um só fôlego...
lindo lugar de ti..
beijoss..

cindy disse...

será que depois de tudo ainda estaremos em algum lugar?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...