segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Saborear

Você me diz: gosto de você. E acrescenta: tanto. E se faz silêncio. Eu queria dizer: eu também. Gosto. Não, eu minto. Minto pra mim, minto pra você, mesmo sem dizer nada. Eu queria era perguntar: mas você sabe? Quem eu sou? Sabe? Sabe que desenho com os pés na areia da praia? Que espero o frio pra soprar nos vidros e ver a vida embaçar? Que lambo os dedos depois de comer caranguejos? Que tenho sonhos pequenininhos que cabem em bolsas de viagem? Que espero um par de sapatos vermelhos? Que tenho um sertão no peito? Que compro livros pelo número de páginas? Que gosto de rodopiar na chuva? Que suspiro baixinho? Que sou em nostalgias noir? Que coleciono palavras como tijolos amarelos? Sabe que faço listas destas coisas todas para entorpecer a memória de que eu não sei, não sei, não sei dizer quem sou?

Você diz: Eu. Gosto. De. Você. E cada palavra dessa é tão maiúscula que me assusta. Eu não sei eu. Eu não sei você. Eu nem sei se sei gostar. É querer a mão na minha e a boca na pele e proteger e rir e fazer cafuné? É dizer infâncias e olhar amanhãs? É esperar acordar no seu olho e dormir no seu cansaço? É ficar mais e mais e mais perto até perto ser dentro? É aprender a mentir, solene: eutambémgostodevocê?

Gosto de Você. Na ponta da língua. Um ô no lugar de um ó e tudo fica certo. 


4 comentários:

Dária disse...

Gosto é muito dos seus textos.

Juliana disse...

dá pra gostar antes mesmo de saber, eu acho.

Rita disse...

Uia.

Lica disse...

Eu gosto de vocêS.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...