terça-feira, 19 de junho de 2012

Final de Temporada



Status: brincando de tiro ao alvo com meus sonhos.

Então é assim: morrer um pouco.

Eu não sabia que doía. Não sabia o vento correndo no oco do peito e assoviando vazios.

E eu não tenho nenhum lenço branco pra acenar na estação.

Era uma vez. E não mais. O tempo zomba da minha imaginação. Eu pensei que. Mas não, nenhum peito, nenhum pouso, nenhum porto.

Eu não estou chorando, é só o amor se tornando água e sal. Saindo de mim.

Não há amanhãs pra quem está presa deste lado do espelho.

Qual a borracha adequada pra apagar da memória as letras azuis?

Um dia Zenóbia acordou sem olhos. Não havia mais futuros para ver.

Todos os dias como uma prece: não querer. Destemida, percorro os dias tão cheios de você. Como uma pontada: você nunca esteve aqui. Todos os dias, como uma prece: não pensar. Escrevo uma bula com meu método secreto para voltar a sorrir: o luto. Pra esquecer, procurar lembrar-se. Porque há um dia em que você não se lembra de lembrar. Só aí você esqueceu. 


4 comentários:

Fernando Amaral disse...

Eita! Foi gol.

Danielle Martins disse...

Só pra você ter certeza... Aqui, sempre!

Rafa disse...

Aiai... Que venha Julho.

MoiselleMad disse...

adorei flanar pelo blog!