terça-feira, 15 de maio de 2012

Das Cores Necessárias


Tenho uma sombrinha vermelha na alma. Ela protege o que é preciso quando saudades choram em meu peito. 


Então eu fico pequenina no meu desassossego. Espiando as esquinas, decodificando sinais imaginários: se uma nuvem esconder a lua, se apagarem a luz na casa vizinha, se houver vazios. Sentindo falta. Imaginando. Vou fazendo silêncios, calando vontades. Lembrando: sou em descompassos. É que. Sim, a gente acredita. Um dia. Uma pessoa. Você? Mas não. Eu sei. Um dia de cada vez, uma solidão depois da outra. Ainda tenho a varanda, carrego meus anseios pra lá e deixo-os respirar. Sufoca tanto futuro que não é. Descobri o medo: é soletrar amor. Posso chorar um pouquinho? É melhor não, o sal já fez árido meu coração. Espio pelas janelas. O grande salão preparado. Cubro os móveis com os tristes panos cinzas. Calo o piano. Não haverá música, dança, festa. Não haverá. Não seremos. Vejo uma estrela cadente e quase faço um pedido. Quase. Desaprendi a esperança. 


E aí eu me encolho no cantinho da cama e faço bem-me-quer imaginário com brancas margaridas tristes. De manhã terei olheiras e novos sorrisos. Sei zombar com carinho das minhas ilusões.


Acho que vou ver um Capra. Só pra garantir a sombrinha vermelha.


3 comentários:

Cristiane Rangel disse...

Tb tenho uma sombrinha vermelhe - a real e a imaginária. E cada vez que leio estes teus posts me dá aquela vontade de te dar um colo. Sinta-se abaraçada. Bjo

Rosa Adeyse disse...

Nossa... Seus escritos parecem letras de músicas!
Os acordes certos numa boa melodia, e já posso até sentir soar a harmonia de uma bela canção.Bjs

Rafa disse...

Bem-aventurados os que tem essa sombrinha vermelha ou de outras cores. Estão secos, áridos, porém, vivos enquanto há tanta gente morta andando por aí.

Bj

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...