quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Meme dos Filmes #31 - A Vida em 3 Sequências

Esse tópico do meme foi inspirado nesse post aqui
do Navarro: Podia ser assim.


Se a vida fosse um filme? Eu gostaria que fosse dirigida por Minnelli e Woody Allen. Há muitos diretores que admiro, mas opto pela certeza dos bons diálogos e momentos plenos de beleza e cor. O último desafio desse delicioso meme é escolher 3 sequências que indiquem a minha relação com esta temporada por aqui. Não é fácil, mas eu fiz.


Início
Nascer é pegar o jogo pela metade, é chegar no meio da festa. Não à toa o sentimento de inadequação que nos acompanha mesmo ao nos reconhecermos felizes. Ser humano é ser um só. Ambiguamente, é ser apenas um. Único. Mas é, também, ser um sozinho. Nenhuma sequência inicial traduz melhor esta impressão do que o começo de The Searchers – Rastros de Ódio. Lá vem Wayne e a gente sabe: um forte. É quem está na rua, o que dá a cara a tapa, o que mantém a possibilidade dos outros estarem em suas casas, escuras, confortáveis, acolhedoras. Ethan é um personagem complexo, intenso, cheio de nuances e sua chegada à casa dos familiares apresenta isso: é motivo de festa, mas de desconforto. O jogo de sombras na cena é de uma beleza ímpar. É minha sequência inicial, é assim que me sinto: especial, porém um tantinho fora da ordem. Além disso, a cena inicial rima com a final. É lindo e dolorido pensar que Wayne não entra mesmo naquele recanto que ele luta pra que exista. Há uma porta que, por mais que se abra, nunca ultrapassamos o umbral.


Recheio
Digo sempre que me acontecem coisas surreais, assim a sequência que traduz essa sensação tinha que vir de um daqueles fantásticos filmes mudos em que do mais terno ao mais absurdo se sucedem sem que a agente dê por conta. Podia ser qualquer cena de Buster Keaton, um dos maiores gênios do cinema, extremamente subestimado. Genial, roteirizava, dirigia, atuava. E, especialmente, inovava. Corajoso, fazia cenas acrobáticas sem os comuns dublês. Agrada-me pensar que sigo a vida como seus filmes seguiam: com audácia, liberdade e humor. Buster Keaton contava histórias com seu corpo. Eu gosto de pensar que trago minha história no corpo. Mas Keaton não ri (acho que em todos os filmes só há um sorriso em uma cena). Então, não será de Keaton a cena escolhida, mas de Chaplin. Também ele, Chaplin, um gênio. Dos maiores. Também fez comédias, menos físicas, talvez, mais poéticas, quem sabe. Acho que a cena em Luzes da Cidade, a luta de boxe, sou eu demais. Começando com os momentos que antecedem a luta, a negociação do prêmio pensando em todo mundo se dar bem, a cena do pé de coelho, o nocaute do adversário inicial e a escolha de um adversário bem mais perigoso. Eu e a vida, oi? Essa cena é o recheio da minha vida, o que me aconteceu e acontece. Sou eu, lutando, sem saber direito como, muitas vezes me saindo bem, criando ilusões de afagos, com meu chapéu côco lembrando a indequação da cena inicial, aproveitando os intervalos, batendo e apanhando, seguindo.


Final
E o fim da vida? A sequência última antes de subirem os créditos? Pensei na cena final d’Os Incompreendidos. Campo de futebol, todo mundo lá trocando passes sem muita esperança. Hora do escanteio e lá vai o menino pro canto do campo. Aí larga a bola e corre, corre, corre. E segue correndo sem diálogo, trilha sonora, nada que atrapalhe esse momento que nos chega triste e inteiro: não há lugar certo pra ele. Não há lugar certo pra mim a não ser a tentativa de liberdade. Mas acho que o que realmente me deixaria contente era uma sequência final como a de Quanto Mais Quente Melhor. Poder dizer, sorridente, ao fim de grandes aventuras, “ninguém é perfeito”. 


Quero dizer da alegria que foi  participar desse meme ao lado de gente tão divertida, interessante e apaixonada. A Tina Lopes e o Anderson já terminaram. Alguns desistiram, não sem antes deixarem posts lindos. Outros vão no seu ritmo e me anima pensar que ainda há posts que virão. Eu acompanho pela lista aqui na barra lateral do Borboletas. A lista se chama Meme dos Filmes (oh, que original!). Espiem lá.


5 comentários:

Tina Lopes disse...

Perfeito teu final, guria, amei demais. Já tô com saudade dos papos diários sobre o meme... mimimi

Hugo Avelar disse...

Adorei a sua sequência, Lu. Amei participar do Meme com vocês e acho que já podemos começar a pensar numa segunda edição, o que acham?

Palavras Vagabundas disse...

Lu, nunca pensei a minha vida como uma sequência cinematográfica, gostei da sua e se um dia pensar na minha com certeza escolheria o final de Quanto mais Quente Melhor,
"ninguém é perfeito", mas o filme da vida é muito bom.
bjs
Jussara

sandro caldas disse...

Lindo texto de encerramento para esse meme tão divertido e educativo. Peguei algumas dicas suas aqui!Suas escolhas são de gente grande! rsrs!
Grande beijo!

Deise Luz disse...

Que post incrível!

Tô em processo de negação, simplesmente não quero acreditar que o meme tá acabando pra mim (e que acabou pra você e pra Tina, porque eu adorava ler todos os dias as escolhas de vocês).

Eu não estava conseguindo postar todos os dias por causa do final de semestre, mas agora estou de férias, já escolhi os filmes do "minha vida em três sequências" e mesmo assim não postei. Por puro apego, rsrs. Mas acho que de amanhã não passa.

Que chato isso, queria o meme todo de novo! :( E obrigada por ter começado com ele, e por todas as sugestões lindas que deu aqui, e comentários lá no blog.

Beijo!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...