terça-feira, 8 de novembro de 2011

Meme dos Filmes #07 - Comédia-Tonta- que-não-prejudica-os-neurônios

Cinema, cinema, cinema... por aqui, no Borboletas, o meme dos filmes (apresentado neste post aqui).  Se quiser ler outras lucianas, passa no Eu Sou a Graúna ou no Olhos da Borboleta, tudo atualizadinho. O Meme dos Filmes começou na caixa de comentários da Tina, uma sugestão da Verônica que agarrei com unhas, dentes e olhos na telona. Email foi, email veio, cutucamos a Rita e, hoje, fico toda boba de ver quanta gente boa está participando, olha aí:

Tina – Pergunte ao Pixel
Verônica - Will you do the fandango?
AndreV. – Lágrimas de Crocodilo
 RenataMuitos e Duplos
Deise Luz – Sete Faces
Ludelfuego - Presbita e Emétrope

E hoje é dia de dar risada, vamos escolher a Comédia-Tonta-que-não-prejudica-os-neurônios. Atenção à categoria, não é a Melhor Comédia, então por isso não vou nem cogitar Buster Keaton nem Charlie Chaplin, viu. Nem, nem, nem pensar em citar os filmes do genial Billy Wilder (mas se você não viu Quanto Mais Quente Melhor não sabe do que está rindo quando alguém diz: “ninguém é perfeito”) ou do esperto Blake Edwards. E, pela mesma medida, fica de fora Monty Python, né?

Pensei em Quero Ser Grande, porque a cena do piano é comovente e as sequências de ascensão profissional, hilárias. Mas não. Daí pulei pra Corra Que a Polícia Vem Aí (aquela hora que ele anda perto do rio e se pergunta sobre altas questões filosóficas até chegar em: quem inventou o sabão em pó, ai, rio demais) mas não tenho certeza se Steve Martin Leslie Nielsen (que vergonha, devidamente corrigida pelo Nicolau, obrigada, isso é que dar não googlar pra conferir se a memória funciona) não prejudica os neurônios.

Então, sucumbo, vou falar de novo daqueles filmes que só eu e mais uma ou duas pessoas vimos e, provavelmente, das duas, só uma gosta. Fazer o quê, né? Eu amo as comédias malucas das décadas de 30 e 40. Sério, é bom demais. Screwball ou comédias malucas são aqueles filmes cheios de situações inusitadas e absurdas tratadas na maior naturalidade. E voam tortas pra cara linda do Cary Grant e rasgam o vestido da Ktharine Hepburn, assim, como se fosse trivial. Geralmente alicerçadas na “guerra dos sexos” traziam personagens irônicas, ariscas, divertidas. Um elemento comum é a réplica rápida, precisa, os diálogos são sempre interessantes e a gente tem que ficar atenta senão perde o bonde. Delícia. Também presentes estão os elementos da comédia pastelão e situações farsescas.

Pois bem, a minha Comédia-Tonta- que-não-prejudica-os-neurônios é Levada da Breca com Cary Grant e Katherine Hepburn. A história é assim: ele é paleontólogo, espera a encomenda de um osso raro, precisa de doações pro museu. Ela é uma herdeira rica que decide casar com ele. E o filme é doido.  Sério, doido mesmo. Do tipo irreal, gente, eles vão criar uma onça/leopardo/um bicho desses aí. É de rir até chorar. Claro, claro, o filme não funcionaria se não fosse a interação incrível entre os dois atores. Porque é mágico isso. Eles se olham e a gente sabe que vai vir coisa boa. Eu sempre digo que minha memória é uma meleca, mas não tem com esquecer o Cary Grant, a KH e um cachorro procurando o osso raro no quintal.  Sem falar da cena hilária e autorreferente do Cary Grant abrindo a porta só com um robe/peignoir feminino e dizendo algo como: “amanheci gay!” (já foi engraçado na hora que vi e mais ainda depois quando eu soube que gay era palavra restrita, penso até que foi o primeiro filme em que foi proferida...e todo mundo sabe a vida do CG, né?).

Se você não viu o filme e quer dar boas risadas, veja o trailer. Se você viu e quer dar novas e melhroes risadas, veja o trailer. Agora se você quer ser relmente feliz, corre e vai ver o filme. Isso é sério. O filme, não. 

5 comentários:

Hugo Avelar disse...

Ainda não vi este, mas vai pra minha lista. Quem sabe não passo aí a gostar um pouquinho mais de comédia né?

Rita disse...

Já que o meme aqui tem cheiro de mofo e naftalina: não faço ideia do que acharia do filme se o visse hoje, mas me lembro muito bem de ter dados altas risadas com uma comédia tosca de vampiros que costumava passar DEPOIS de Primeira Exibição, nos anos 80 Ou seja, era tardão da noite e preciso me lembrar disso quando meus filhos disserem que não querem ir pra cama. Enfim, vi várias vezes e ri, bobíssima: A Dança dos Vampiros. Não sei de quem é, com quem era, nada nada e agora tô sem tempo pro google.

bj
Rita

Tina Lopes disse...

RITA! A Dança dos Vampiros é Polanski, herege, um dos melhores filmes de vampiros (se tivesse esse item no meme, eu tava ferrada)! hahahah e Lu, eu não só amo como tenho em VHS (tô te falando pra providenciar um vídeo...) o Levada da Breca. Mas corrigindo: É o Loyd Bridges, pai do Beau e do Jeff, não o Steve Martin. Aliás, AMO Steve Martin, ele não faz mal pros neurônios não. Lu, sua clássica, minha escolha provavelmente será mais recente =)

Deise Luz disse...

Eu estou sem saber o que escolher. Estou lembrando de comédias ótimas, mas que não se encaixam nessa coisa do "tonta"!

...

Tinha ficado na curiosidade sobre o "amanheci gay" porque não sei da vida do Cary Grant. Mas dei uma olhada na wikipedia e a primeira frase que li foi "costumava ser vestido como uma menina pela mãe, o que acabaria lhe causando dúvidas quanto à sua sexualidade". Agora entendi, hehe.

Nicolau disse...

Muito bom o Levada da breca! E o Corra que a Polícia Vem Aí é com o Leslie Nielsen, hehe. Mas os cabelos brancos sem dúvida confundem.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...