sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Meme dos Filmes #03 - Sessão da Tarde Inesquecível

E segue o delicioso Meme dos Filmes, apresentado neste post aqui. Vamos juntas: Tina, Verônica, Rita (convidada aqui no Borboletas) e, logo, logo, Niara e – dizem – até meu blog favoritíssimo (cachaça, futebol e política, quem quer mais que isso?) Futepoca, vai entrar na jogada. Como isso pode ficar mais divertido? Ah, tá, com comentários dos que passeiam por aqui.

Um aviso: meus posts podem ter spoilers. Ou não. Nunca sei direito o que se configuraria como spoiler na rememoração de um sentir. Na verdade, eu não me importo muito com os “o quê” e sim com os “como”. Pretendo não contar nada decisivo dos filmes, mas quem se melindra em saber sobre uma cena ou outra não deve ler.

Minha Sessão da Tarde Inesquecível

Como a Tina reclamou (a sessão da tarde dela é o Lewis, espia lá), a minha Sessão da Tarde não terá uma divagaçãozinha anterior. Nada. Só pá e bola: As 7 faces do Dr. Lao. Mas deixa eu te dizer, você que não tem 30 anos pra frente: você não imagina o que era a Sessão da Tarde. Uma hora mágica em que um mundo brilhante, generoso, feito de atitudes corajosas e muita risada vinha se fazer bem na sala da minha casa. É isso, meus olhos se enchiam de bonitezas, meninas de laço no cabelo, cachorros espertos, piratas, impossibilidades e vontades. Um mundo. Uma linguagem. Depois foram as Sessões de Gala e Corujões e VHS escolhidos, mas naqueles meninos anos era isso: a Sessão da Tarde.

As 7 Faces do Dr. Lao é um filme que, em mim, causava estranhamento. E encanto. Que era, mais ou menos, o mesmo que causava na pequena cidade empoeirada em que o circo do D. Lao chegou. E tinha uma confusão lá do bem X mal, um cara rico que queria dominar a cidade. Mas. Mas. Mas. Eu gostava mesmo era dos personagens. Eu gostava mesmo era do Dr. Lao colocando minhoca na cabeça das pessoas, fazendo-as se irritarem, perceberem seus defeitos, eu gostava mesmo era de ver a personagem da mocinha com aquele calor todo no corpo que eu, menina, suspeitava mas não nomeava. Eu fiquei aqui contando as faces: o velhinho chinês, uma serpente gigante, a Medusa, o mágico já meio fora de forma, um adivinho e o Pã (pois é, pelejei, pelejei e esqueci o último, quem souber diz, só vou googlar amanhã).

Uma coisa interessante (bom, eu acho interessante) é que as personagens/personalidades do Dr. Lao eram sempre ameaçadoras, não no sentido de serem más ou aterrorizantes (só o peixinho dele era temível) mas ameaçadoras no sentido de questionarem o que as pessoas da cidade tomavam como verdade. Eram ameaçadoras ao status quo. O Dr. Lao me ajudava a dar forma às perguntas. Eu lembro que tinha alguma coisa assim: o mundo todo é um circo se você souber observar e que estar vivo é fantástico e é dessas maravilhas assim, de saber olhar os pequenos milagres, que as atrações do circo mundo se fazem (claro, né, a metáfora explícita). E isso me enchia de antecipações. E me voltou quando pouco tempo depois eu me apaixonei pelo Disco Drama 3º Ato da Maria Bethania (gravação ao vivo) até hoje meu disco preferido e ela recitava lindamente: “Era uma vez, mas eu me lembro como se fosse agora. Eu queria ser trapezista, minha paixão era o trapézio. Me atirava do alto na certeza que alguém segurava-me as mãos não me deixando cair (escuta todinho aqui, é lindo)

O Dr. Lao fez minhas tardes, minha infância, meus olhos se encherem de magia, possibilidade e amor à verdade. E me preparou certezas: o circo não vai embora, fica em nosso olho.

A Sessão da Tarde Inesquecível da Rita

"Era a hora que vinha logo após o dever de matemática. O lanche podia ser no intervalo, café com leite e pão com manteiga. Houve o tempo da caldo de cana com sonho do bar da esquina, mas esses sempre associo à série de filmes baseada no Velho Testamento: Torre de Babel, Davi e Golias, Moisés (o mar SE ABRIA, UAU!). Enfim, voltemos. Terminado o dever de matemática, a almofada da direita era a minha. Descalça, tinha que ser descalça. Porque quando vinham os primeiros acordes, era pra cima do sofá que eu ia.  


Nem era o filme em si, que eu também curtia. Era mesmo a cena da rua. Era o absurdo que é aquela cena da rua. Uma catarse em tempos em que nem andar de bicicleta na rua eu podia: Curtindo a Vida Adoidado, minha top sessão da tarde, por uma questão de justiça, pois sei que foi a mais vista, sempre com empolgação. Mas que, verdade seja dita, foi renegada ao segundo lugar quando Flash Dance começou a se reprisado. E aí não era mais sofá, era a sala inteira, porque é preciso espaço nessa vida, vocês me entendem. What a feeeeliiiing!!! "

3 comentários:

Juliana disse...

Gente, vou ler só a parte da Rita porque é eu já vi os filmes que ela cita. kkkkkkkkkk Curtindo a vida adoidado é clássico, melhor do mundo. Quem nunca dançou junto com o ferris? =p

Nunca ouvi falar desse que vc citou, Lu.

A Sessão da tarde virou lugar pra filme de bicho e aquelas bobajadas da Disney, mas de ve em quando tem coisas divertidas.

Tina Lopes disse...

Lu, As Sete Faces eu só assisti uma vez: quando estreou numa sessão-embrião de Tela Quente, se não me engano logo depois de Viva O Gordo... mais de 30, você disse? hahahah É um filme maravilhoso, mesmo, daqueles que a gente se pega lembrando, de olhar longe, no meio da aula. Rita, convenhamos, você vai acabar fazendo o meme todo, faz favor de abrir espaço no seu blog, hahahaahah. Veja bem, sou uma das poucas pessoas da terra que não gosta do Ferris Bueller - não me conformava dele ser tão mentiroso. Eu torcia pra irmã dele, esperava ansiosa a hora dela beijar o Charlie Sheen. Mas sim, John Hughes é indispensável pra sessão da tarde. Poderia até haver um "John Hughes preferido" no meme. O meu seria A Garota de Rosa Choking. Ah, Lu, por favor, eu tava zoando, vamos trapaceando no jogo, sim, afinal ele é nosso ;)

Dicas Femininas disse...

Olá flor passando pra conhece seu blog , e adorei tudo vc esta de parabéns estou seguindo vou adora ter vc no meu blog beijos flor..

http://rosanadicasfemininas.blogspot.com/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...