sábado, 9 de julho de 2011

E Por Falar Em Saudade...

...onde anda você?
e por falar em paixão, em razão de viver,
você bem que podia me aparecer,
nesses mesmos lugares, na noite,
nos bares, aonde anda você?

“O único poeta que viveu como poeta”, disse Drummond. E como poeta morreu. Ou ainda: ele era um amor. E mais, ele era o amor. O amor nem sempre chega na hora certa nem nos dá o que esperamos. Aliás, quase sempre o amor nos surpreende. Mas é também ele, amor, que nos comove, que nos faz ser tanto, que nos exige e nos alegra, que nos excita e transforma. Que nos faz cada vez mais nós mesmos sendo cada vez mais outros. Então, Vinícius.

Teve mulheres, muitas, todos sabemos. E as amou de forma tal que enternece pela entrega absoluta. Que mal há em saber o amor temporário se o sabemos eterno na sua duração? Era sua forma de estar no mundo, este coração nos olhos, na mão, na bandeja. Esta sede do outro. Ele sabia-se para encontros. Porque era de tantos e a tantos se dava. Foram vários os parceiros como Tom Jobim, Carlinhos Lyra, Baden Powell, Toquinho, Chico Buarque, Pixinguinha, e diversas as pessoas com quem dividiu palco e disco: Maria Creuza, Quarteto em Si, Maria Bethania, Clara Nunes...Amar não lhe era pesado. Vinha fácil. Punha brilho no olho e beleza nas letras.

Vinícius correu o mundo e fez do mundo todo sua mesa de bar: lugar de risos, afetos, intimidade e samba. Encantador, sabia-se fazer amado, mas amor com amor pagava e era um encantado pela vida. E pela vida no outro. E pela vida no outro.

Não farei biografia, há lugares em demasia pra saber em que dia e hora nasceu ou morreu, que foi diplomata, crítico e sei lá mais quê antes, durante e depois de ser o poeta que era sempre. Não vou listar canções e poemas que me fazem ser sem pele e sentir em tal intensidade que morrer não é idéia que se descarte. Não direi da identidade que me deu com seu Para Uma Menina Com Uma Flor nem explicarei porque minha filosofia de vida é a letra de uma canção sua: “porque a vida só se dá pra quem se deu, pra quem chorou, pra quem amou, pra quem sofreu”. Não falarei do seu Orfeu, tão meu, que deu ritmo à peregrinação que é sempre amar: ir ao Inferno, encontrar quem amamos e deixá-lo lá. Não mencionarei seu lirismo, sua capacidade de fazer simples o sublime e sublime o corriqueiro e de dar a tudo os ares do atemporal e, ainda assim, rotineiras imagens.

Só o que quero é dizer que o amo. Amo-o pelo que explicitamente escreveu e pelo que não foi claro, pelo que produziu e pelo que me deixou a desejar, pelo que era e pelo que fazia ser. Havia, em seus olhos, beleza. Foi poeta, podia ter sido, talvez, mergulhador, sabia ser leve e profundo, ver - onde havia demasiada pressão - graciosidade e encanto, sabia mergulhar com coragem onde ninguém ia e, também, fazer dos espaços onde se vai todo dia sem perceber, lugares de encontro e deslumbre.

Há talvez, quem torça o nariz pro Vinícius. Eu respeito, mas não passo nem perto de entender. Porque não há nada no mundo que me pareça mais digno de letras que o amor. Nada mais real que amar. E ele era um amor. Era, talvez, o amor. Tá na hora de rever o menino bochechudo, nú e com flechas, estou a pensar que o amor é um senhor com um copo de uísque na mão.

Amanhã
E se 09 é o dia de sentir esta saudade lânguida de um homem que planta sonhos em meus dias, 10 é dia de celebrar a alegria de um viver intenso, sereno e criativo da minha querida Turmalina. Que a vida lhe seja generosa, que a terra lhe seja farta e que as pessoas lhe sejam próximas. Que o pensar e o sentir se entrelacem em gozos e que em seu juízo façam som. Que haja riso, muito e sempre. Que haja amor.

8 comentários:

Turmalina disse...

Ah...mas eu gosto muito de Vinicius...que tornou-se eterno não importando o quanto durou.
E foi ele também que disse que os amigos não fazemos, reconhecemos.E sendo assim, por essas e outras, muito obrigada, Lú.
Beijos

Rafa disse...

Foram os votos de felicidade mais lindos que já vi. Guarda porque quero igual no meu aniversário, não importo que sejam reciclados.

Bj

Dona Lô disse...

Certa vez, numa entrevista, Toquinho comentou que Vinícius tinha uma ciência prá tomar wisky: gelo até a borda do copo, bebida até o gelo boiar. Quando o líquido fica ligeiramente fosco, está bom.
Então, aprendi a beber wisky...
Amo Vinícius, amiga. Trago muito do poetinha comgo, na intensidade dos amores, no samba dentro do coração.
Esse post é uma delícia!

Suely disse...

Eu também gosto de Vinicius. Intenso demais. Nas paixões, na vida. Bela homenagem, Borboleta! Beijos.

Atitude do pensar disse...

Ele sabia como dividir.
E aqui, você também soube.
Bj

Maggie May disse...

sabe que só me dei conta da mensagem dubia do titulo quando voces falaram!! rsrsrsrs

me liga!!! vou passar meu cel por email! beijo

Lílian disse...

Eu já li e reli esse post algumas vezes, sem comentar. E todas as vezes me saltou aos olhos a sua delicadeza...

Passados alguns dias, percebo que ele continua no topo da página. Nada contra posts diários, mas gosto da ideia de me acostumar com um, de voltar e não ter que procurá-lo, porque ele ainda estará ali. Por algum tempo, sabe? Sem ter submergido porque já chegou um mais novo. Gosto da ideia de não sucumbir ao "tem que ser todo dia"...

Pode não ser de propósito. Mas que eu gosto assim, gosto. Quem manda eu ser meio devagar?

:-)

LOVE,
LI.

P.S.: Uai, cade a Bárbara? Sou eu que tô atrasada de novo ou ela também viajou?

BJO!!!

Joana Faria disse...

Ah, Vinícius, como eu adoro.
Sinto até pena das pessoas que não falam nem entendem português. Só por elas não terem o privilégio maravilhoso de ler ou ouvir alguma coisa de Vinicius. Tadinhas, né? Que injusto...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...