terça-feira, 28 de junho de 2011

É Tão Mais Fácil Amar

Tem um blog que tem cheiro de delicadeza. Suave e certeira, Juliana diz muito e bem e tanto o que muitas vezes fica atravessado na minha garganta ou imóvel nos meus dedos. Com precisão ela apontou minha dor, meu choque e minha indignação com a onda moralista, cruel e violenta que tem nos sufocado a todos e, mais especificamente, às pessoas de orientação sexual não heteronormativa. É tão triste ver como as pessoas se encastelam e se defendem magoando, agredindo, diminuindo o Outro. É dessa dor que fala Juliana, é essa dor que partilhamos. Este post que se segue foi escrito por ela e publicado em seu próprio blog: Fina Flor, em 03 de junho de 2011. Nessa ocasião me tocou muito e pedi pra reproduzir aqui. Ela concordou e eu esperei este momento. Que nos doa mas que nos faça agir, é o que anseio.

Porque é tão mais fácil amar. 

It Gets Better, By Juliana

Assisti a este video e achei legal:


Depois um amigo me mostrou este vídeo, e eu tive uma crise de choro:




Chorei porque sou uma alienada. Porque no meu mundo, nesse universo pequenininho no qual me locomovo, não faz sentido que pessoas se matem ( ou sejam mortas) porque não são aceitas.Eu sou alienada. Na minha cabeça de alienada,  a palavra " aceitar" não tem o menor sentido, porque me parece que tem a  ver com necessidade de aprovação. Ninguém nesse mundo precisa da minha aprovação para o  que quer que seja, especialmente pra amar, se apaixonar e desejar. 

 O primeiro vídeo me fez pensar nas pessoas incríveis que conheço que poderiam fazer parte dele. O segundo vídeo me fez chorar porque, pela primeira vez, me dei conta de que essas mesmas pessoas já sofreram um bocado e ainda têm medos que não podem ser dimensionados por mim. Obviamente, eu leio os jornais, sei que todos os dias muitas pessoas são vítimas de homofobia. Muitas pessoas morrem simplesmente porque  sua vida afetiva não condiz com o modelo aceito como padrão. Muitas pessoas. Só que eu nunca tinha parado pra pensar ( acreditem, eu nunca tinha pensado de fato) que  gente que eu amo corre risco de ser machucada, agredida e morta exatamente pelo mesmo motivo.

Na minha visão limitada, bastava que eu não compactuasse com piadas imbecis, com discursos crueis,  bastava não voltar  a especular sobre a afetividade e a identidade alheias como eu costumava fazer antigamente, e estaria tudo bem.  E , ingenuamente, fico achando que não responder à pergunta "aquela sua amiga é lésbica?"  evita necessariamente que ela receba o peso dos estereótipos e  do preconceito. Mas eu vivo num mundo no qual é legítimo ofender, ferir , xingar  pessoas. Eu tô aqui vivendo, enquanto adolescentes se matam porque não aguentam mais humilhação e violência.

É injusto, é triste e, pior, eu só parei pra me dar conta ao assistir a um vídeo que foi capaz de me fazer dar nome e rosto  a uma realidade que tá aí na minha cara e eu nunca parei pra prestar atenção. Um choque de realidade não faz mal a ninguém, né? Eu me sinto meio idiota escrevendo sobre isso. Afinal em que planeta eu vivo? Mas eu quis mostrar esses vídeos aqui de qualquer modo. Não sei se campanhas como " It gets better" surtem efeito realmente, mas ,se servirem pra dar senso de realidade a pessoas como eu, já tá valendo.

P.S.: Acho que é meio óbvio, mas não custa acrescentar: todo mundo tem o direito de falar o que quiser, no entanto se aquilo que eu digo incomoda outra pessoa  - E A OUTRA PESSOA DIZ QUE TÁ OFENDIDA-, basta não dizer mais. Simples. 

12 comentários:

Palavras Vagabundas disse...

Gosto muito desse texto e merece sim ser divulgado. Eu também não saberia expressar melhor minha indignação com essa onda fundamentalista, moralista e supostamente ultrapassada.
É mais fácil amar!
bjs
Jussara

MARIA, L.P. disse...

Partilho totalmente desse olhar.
Sim, amar me parece tão mais simples!

Atitude do pensar disse...

E sempre ela: a nossa verdade mal ou bem fundamentada que acreditamos ser obrigada a se tornar universal. Mas quando se é universal? Quando nos limitamos a minha moral, ao meu valor, a minha verdade?
Enfim, os humanos sempre me assustaram, e ainda me assustam...

Rafa disse...

Adoro, esta borboleta engajada pelo direito universal ao amor e ao desejo!

Bj

Menina no Sotão disse...

E eu hoje fiquei indignada com certas "coisas humanas": uns falam acerca de uma ditadura gay e muitas outras bobagens que só pode vir de gente com uma mente pequena. Mas acho que a noção de realidade nós, de fato, nunca teremos minha cara porque a menos que isso caia, literalmente, no nosso quintal, tudo é distante e ausente. Essa coisa toda me incomoda, também não entendo essa coisa de aceitar porque como vc tão bem o disse "não temos que aceitar coisa alguma porque não nos compete". Eu não tenho que aceitar algo que não me diz respeito. Eu tenho que viver a minha vida da melhor maneiro possível sem me ocupar dos passos que levam cada um para a direção que decidirem ir. Isso é tão simples me minha mente que não consigo compreender esses insanos que ficam gritando bobagens ao vento. Lembro de mim mesma antigamente "gente grande é tão besta".


bacio

Caso me esqueçam disse...

sinceramente? quem eh homofobico, ou pelo menos eh indiferente à causa, nao vai repensar sobre sua atitude depois dos videos (com isso, eu nao tou dizendo que produzir videos assim ou divulgar eh causa perdida, pelo amor de deus! ao contrario, ate porque...) eu sempre divulgo videos assim quando os acho interessantes, mas acabo divulgando pra pessoas que, sei la, tem um pouco de consciencia e meio que nao "precisam" do video. nem imagino meu pai vendo um negocio desses. hahaha ai ai... eh uma besta quadrada. o maximo que o video provocaria nele seria nojo, sabe. e é ELE que precisa ver o video, sabe.

eu nao sei o que tah acontecendo... eu sinto que de repente todo mundo se tornou homofobico. acho que essas redes sociais na net permitiram que as pessoas se expressassem e... nao sei se foi a homofobia que aumentou ou foi a divulgacao dela, nao sei, mas eh tao sufocante! eh tao triste. e cansativo ver que as pessoas gastam tanta energia pra tolher os outros!

Caso me esqueçam disse...

nao sei se tu ja visse um video de uma mae norte-americana ultra religiosa que disse a filha lesbica que sempre a amaria, mas que nunca aceitaria seu lesbianismo porque na biblia tem dizendo que... bla bla bla. dai a menina se matou enforcada uns meses depois com a coleira do cachorro. agora a mae milita pra que as pessoas revejam a biblia. foi preciso perder a filha pra abrir os olhos.

Luciana Nepomuceno disse...

Xará, os vídeos, se a memória não me falha e ela falha muito - foram feitos não para homofóbicos mas pra servirem de referências aos adolescentes e jovens que sofrem para viver sua sexualidade. Nesse aspecto, acho bem válido...

Juliana disse...

ei, você colocou mesmo aqui. =)

Os vídeos são mesmo direcionados aos adolescentes que sofrem pra viver sua sexualidade.

Às vezes, penso como a outra luciana, parece que todo mundo é homofóbico, que todo mundo diz" eu não tenho nada contra, mas..."
Tenho minhas dúvidas se vídeos assim surtem efeito - ou qualquer campanha bonitinha. às vezes, a gente ouve umas coias tão bizarras que faz pensar que a solução seria serrar o cérebro das pessoas e enfiar bom senso e respeito lá dentro.
Ontem mesmo, um cara do meu trabalho disse que tinha nojo de umas meninas que ele conhece porque elas parecem lésbicas e que ele acha que a solução é pegar as duas " de jeito" ( palavras dele) e mostrar o que é homem de verdade. Daí eu arregalei os olhos e ele acrescentou : " Ah,Deus não aprova esse tipo de gente, não! Tem que dar uma lição nesse tipo de gente".

Eu respondi: " É, Deus aprova estupro,né?" Aí ele começou com o papo de que estupro de verdade não existe, que só mulher safada é estuprada. Bem, de revirar os estômago.

Dona Lô disse...

Imagina a angústia de vivenciar a dor de um irmão extraordinário e homoafetivo...
Lu, o texto é incrível. E eu tambem chorei.

Francy´s Oliva disse...

Vamos ver se é mais fácil amar!!Para amar é necessário desprendimento, respeito, aceitar a criatura como realmente é e não como queremos que seja,amar é saber dizer sim ou não sempre respeitando e ponto de vista ou vontade da criatura,amar não importando se a criatura é careca ou desdentado, se tem mal hálito é obesa ou magra,mas aos olhos de quem ama é um príncipe não importando com o que os outro vão dizer.Amar é guardar para si todas aquelas palavras, gestos que você não deseja para si porque sabe que irá lhe ferir, assim não irá ferir a outra criatura. Bom, para mim é fácil amar basta abrir os braços e deixar a pessoa se abrigue entre eles.
bjs.
PS. Viu como é simples e acabamos complicando tudo.

Allan Robert P. J. disse...

somos bilhões de universos caminhando sobre a Terra. E colidimos quase sempre. Um dia seremos uma super nova e as diferenças serão tão amontoadas que nada poderá distingui-las.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...