domingo, 23 de janeiro de 2011

Chuva e Jeanne, pequenos comentários

Eu e muita chuva. Quem me sabe bem já imagina que boa coisa não vai acontecer. Minimamente: sandálias partidas, chegar em eventos importantes parecendo um pinto molhado e deixar cair dinheiro e/ou documentos em poças de lama que surgem misteriosamente justo onde eu derrubo coisas. É a sina de quem cresceu assim, jeitosinha. E, ainda assim, vou feliz. Bem, bem, bem feliz mesmo. Porque meu mundo mágico é feito de gente que eu amo. Gente que vou visitar, gente que vou conhecer, gente que vou abraçar. Ontem me perguntaram se eu realmente me entrego. Se eu me comprometo. Ou se apenas abro os braços, faço festa e sigo adiante. Pensei e pensei, porque a uma pergunta deste que admiro tanto nunca respondo levianamente. E disse o que há de mais honesto: eu me entrego às amizades. É isso que vou fazer no meio do aguaceiro: entregar-me. Porque eu sou muito mais inteira, intensa e verdadeira quando estou nos olhos e abraços dos meus amigos. 

E, claro, em 23 de janeiro, além da minha irmã amada, nasceu Jeanne Moreau. Foi em 1928 (que calha de ser, também, o ano da fundação da Estação Primeira de Mangueira e do nascimento de Che Guevara) e o século ainda engatinhava. Foi neste 1928 que Tarsila aventurou-se com seu Abaporu e Fernando Pessoa, como Álvaro de Campos, escreveu Tabacaria. Mas eu falava de Jeanne Moreau. Bom, é ela que está em Jules et Jim o que, em si, já seria motivo suficiente de admiração, pra mim. Jeanne é linda. Não de uma beleza que indaga, mas de uma que se afirma. A câmara a adora, persegue-a, entende-a, projeta-a de uma forma íntima e devotada. E eu nem falei da voz, que você pode ouvir aqui, nesta interpretação incrível de Le Tourbillon de La Vie. 


E me disseram que meus posts são grandes demais e que não os lêem todo por causa disso e disseram, ai ai ai, que é porque sou gulosa e quero falar tudo sobre tudo. tentarei ser mais breve. Tentarei.


E eu senti uma enorme falta de você. Das suas palavras que já conheço, Do seu corpo, que já espero. De quem sou em seus olhos. Eu não estava onde você me encontra mas, ainda assim, esperei que você me soubesse onde nem eu sabia. 

11 comentários:

Mila Lopes disse...

Conhecer vc é um prazer, sem falar que fico imaginando vc e suas aventuras, como esta na chuva, rs

Adoro seus posts, nada de grandes, rs

Bjs

Mila

Rosa Lopes disse...

Ah! agora entendi a auto-avaliação do comentário ser "imenso", tola!
Eu sou a pessoa mais feliz do mundo por ter sabido essas coisas.
Quando eu voltar pra Recife a gente se vê. Tira a prova, classifica o resultado e seja o que Deus quiser!
Bj

Júlio César Vanelis disse...

Ahh madrinha... Sou "Jeitosinho" também, que nem você... kkkk
Eu não sabia que o Che havia nascido em 1928... Tenho que ler mais sobre o moço, gosto tanto do que ele fez e do que el pensava...

As pessoas estão reclamento?? Pois eu achei esse post curto por demais... Eu sempre li seus posts inteirinhos sem reclamar... kkk

Um abeijão madrinha... Até o próximo

Caso me esqueçam disse...

ah, nao, o blog eh teu! se tu nao faz o que quer aqui, vai fazer onde, no blog dos outros? posts curtos, longos, pela metade... o que importa é conteudo :P e que hoje me visualizei derrubando dinheiro em poças de lama e nao achei que fosse levar isso com bom humor como tu leva. vou tentar me inspirar no que eh bom!

Silvia Varela disse...

"...E eu senti uma enorme falta de você. Das suas palavras que já conheço, Do seu corpo, que já espero. De quem sou em seus olhos. Eu não estava onde você me encontra mas, ainda assim, esperei que você me soubesse onde nem eu sabia."

amiga, isso é lindoooooooooo!!!!!!!!!
beijos

Atitude do pensar disse...

Hum...que gostoso matar essa apertada saudade de estar por aqui, deliciando-me de ti.
Ah, se suas palavras são muitas, ao ponto de encher os posts, não me importo, posso fazer várias viagens...hehe
Abraços permeados dela, a saudade!

Cáh disse...

Own meu Deus que coisa mais linda!!!!!

E olha, ela deve estar feliz de ler tudo isso...
e vc deveria estar linda parecendo um pinto molhado mas cheia de sorrisos =)


Um doce Beijo

Rafa disse...

Eu agora amo chuva porque tenho uma capa porteña e me sinto num filme noir com ela, indo a um bar escuro, pedindo um dry martini pra mim e um absinto pra loira à minha mesa, mesmo que, na verdade, esteja só voltando do trabalho pra casa...

Bj

Menina no Sotão disse...

E lá vamos nós de novo nessa história de post grande. Nossa, fosse assim ninguém iria me ler porque não sei fazer coisas pequenas. kkkkkkkkkkkk
Nem de twitter eu gosto.
Então viva os posts grandes, cheios de conteúdos e vontades enormes para que a gente possa debruçar sobre a tela e imaginar um abraço daqueles bem apertados. Eu confesso, estou esperando um abraço seu. rs
bacio carissima e boa viagem até a terra da chuva. Sim, aqui chove muito. Hoje ainda não choveu, mas eu já ouvi meia dúzia de trovões. rs

Belos e Malvados disse...

Jeitosinha é ótimo. E resume bem o estilo estabanado de ser. rs.

Rita disse...

Ah, eu adoro os posts do jeitinho que eles são. Mesmo. Mas vou gostar se você mudar. Também.

E eu também falei da Jeanne, voc~e viu? Não, dessa não. A do bolo de rolo.

Bj
Rita

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...