terça-feira, 28 de dezembro de 2010

The End ou Porque É Que a Mocinha Não Morre Dessa Vez

Devia ser assim? Como se o segundo seguinte não fosse chegar nunca e a dor fosse a única forma de me saber eu? Devia ser como se todos os futuros fossem nada e todas as palavras gritassem o silêncio do impossível? Devia ser um muro sem grafite? Devia ser como ferro em brasa? 

Eu devia me curvar e sangrar e chorar um sal que me corrói os caminhos? Eu devia não seguir, tropeçar, lamentar? Eu devia ser outra que usa letra por letra como armadura e não como arabescos que me enfeitam corpo e sonhos?


É que eu não quero tanta bagagem tua, as malas vazias de sentido e as solidões que me oferece. Eu escolho minha vermelha hemorragia à sua antisséptica sinceridade. Eu preferia que não fosse quase e doesse. Eu preferia que você fosse e eu sentisse tanto que o peito não me coubesse. Mas só irrita e coça e dá aquela dorzinha fina de arrancar a casca da ferida, mas não é corte novo e nem sangra em intenso e rubro viver. 

É só isso que sei: não era você, ainda. Não era sua mão, seu cheiro, sua voz. Não era sua boca e sua saliva, embora tivesse sabor tão parecido. Não era seu corpo, não era sua hora. Embriagada de tempo, abri com chave certa a errada porta. Talvez você nunca seja. Talvez já tenha sido quando eu não disse o possível eu te amo. Talvez eu tenha errado a esquina. A hora. Talvez eu tenha ignorado o sinal e descido no ponto errado. Eu não sei se no ontem ou no depois está o lugar que você ocupa. Mas, na possível incerteza de sentir, digo: você não está no agora. Sigo:


Eu carrego os sonhos assim. 
Se você quer saber quem eu sou, é só me escutar:



9 comentários:

S. disse...

homens....
canoa que nos aguarde...
beijinhos

Rafa disse...

Aiai... sabe o que eu queria agora estar numa mesa fde bar contigo..loucos só pra saber que apesar de tudo temos um ao outro nesta vida.

Bj!

HG disse...

Não era? Ahhhhhhhhhh.....

Danielle Martins disse...

não esqueça do nosso café... esse é pra sempre!

Menina no Sotão disse...

Fiquei aqui vislumbrando desenhos, sentindo tudo pelo meio. Sabe? Quando você simplesmente se engana de propósito porque quer acreditar desesperadamente que seja e no fim não é. Eu e meus delírios matinais.

A propósito, tomei a liberdade de compor uma missiva pra você. O caminho até ela é a favor do vento. rs

Ps. Meu email é meninanosotao@gmail.com. Me envie o mapa e eu te envio o livro.

Bacio

Atitude do pensar disse...

Putz Lu, até da dor gera-se vida. Últimamente seus posts estão me refletindo mais do que eu queria.
Ainda bem que há um caminho para seguir, mesmo que estejamos trôpegas.
Abraços

Gui disse...

Olha, me peguei pensando um bom tempo me perguntando o sentido desse post.

Não consegui encontrá-lo, apesar de tudo.

É como se o avesso estivesse do avesso, mas ainda não fosse o contrário do avesso, entende?

Não?

Nem eu.

Júlio César Vanelis disse...

Pior do quer sofrer por amor, e dar-se conta de que é apenas ilusão de amor. Não estou dizendo que a ilusão é ruim, aliás, pelo contrário: a ilusão é o que nos mantém aqui, em pé. O que é ruim é saber que é ilusão, colocar os pés no chão, e ver que o caminho que parecia tão longo acaba alí, de repente.
Fiquei triste, porque não era ele? Já estava até simpatizando com o sujeito! xD

Um grande Beijo Madrinha... Até o próximo!!!

Belos e Malvados disse...

Em carne viva mesmo, né? Mas como respondi lá no Belos: Querida, conserve o sorrisão.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...