sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Em Tempos Difíceis...

Queria deixar o texto consistente, terno e divertido da Teresa no ar por uma semana. Em outros tempos, seria o que eu faria. Mas a turbulência é clara e o posicionamento é urgente. Então, quem chegar aqui saiba que no post anterior tem uma linda narrativa sobre As Origens do Feminismo da Teresa Font. Chama-se Vá Fazer a Cama. Ah! Não esqueçam que há outra eleição acontecendo agora, já: o Concurso de Blogueiras da Lola. Vão lá, leiam o texto da Luci, leiam o meu texto e votem no texto da Rita, votem, votem, votem.

Eu estou feliz, eu estou muito triste. Essas eleições presidenciais estão fazendo gangorra com meu coraçãozinho. Por um lado fiquei contente com o resultado do debate que promovi em minhas salas de aula. Deu pra ouvir, entender o discurso jovem. Eu realmente fui irresponsável ao esquecer que quem tem 20, 21 anos nem lembra direito o que era o Brasil, a educação no Brasil, o trabalho no Brasil, o microcrédito na Brasil, a MISÉRIA no Brasil 8 anos atrás. Foi gostoso resgatar a História desde a eleição de Jânio Quadros, discutir a composição de forças dos partidos, as propostas na área econômica, o impacto disso no consumo, os projetos sociais. Foi bom. Mas fico com lágrimas nos olhos e dor no estômago ao continuar recebendo emails ridículos que visam apenas denegrir a candidatura da Dilma. São emails sem veracidade, sem referência e que apenas espalham o terror e a intolerância. Especialmente os que se referem à legalização do aborto e a legalização do casamento homossexual. Pois eu digo com todas as letras, podem ler aí: É por extremo respeito à vida e à diversidade que sou a favor da descriminalização e legalização do aborto e pela legalização da união homossexual. Pronto. Ponto. Se você não quer, não precisa, não vai fazer um aborto, não faça. Se você não quer casar-se com alguém do mesmo sexo, não case, ora. Não há ninguém aqui que vá lhe obrigar. Mas também não impute suas crenças e reservas aos demais. Mas o que me deixa mais triste é me perguntar: quando foi mesmo que a sociedade brasileira instituiu um debate sério sobre esse tema? Nestes últimos anos quando foi mesmo que os líderes religiosos e as instituições conservadoras se manifestaram? Não o fizeram. Isso, todo esse obscurantismo religioso, essa intolerância e desrespeito com os direitos individuais é apenas uma estratégia de campanha. Mas as consequências vão além do dia 31 de outubro. As conquistas de respeito, tolerância e aceitação tão relevantes parecem estar comprometidas neste retrocesso de valores.

Eu me vi no meio de um dilema, por um lado sei que todo esse barulho é uma estratégia de campanha pra desviar a atenção do que realmente importa, afinal quem legisla sequer é o Executivo, cargo a que concorre a Dilma, mas o Legislativo (que já foi devidamente votado). Então, pensei em calar-me e seguir no que interessa (que vou tratar a seguir). Por outro lado não me é possível ficar em cima do muro, não consigo deixar de pensar no extremo mal que este discurso de exclusão provoca na formação de valores dos jovens e na exacerbação dos temores narcísicos dos adultos. Então, decidi pela fala. É por amor que falo, que voto, que vivo.

Mas o que realmente interessa? Interessa que estamos escolhendo o país em que queremos viver. Um país de inclusão e tolerância representados pela candidatura da Dilma e pela experiência do governo Lula ou um país de privilègios de poucos e retrocesso na área dos direitos individuais condensados no discurso do Serra e na memória dos anos de gestão FHC. Não há dúvida possível. Afaste a cortina de fumaça de escândalos meia-boca e o discurso religioso extremado e é isso que fica: o quanto você se importa com a vida, com a alimentação, com a saúde, com o emprego, com a educação dos milhões de brasileiros que vivem em extrema pobreza. Pronto. Ponto.

A Rita (eu sei, eu sei, eu sou derretida por ela mesmo, mas é que ela dá motivo) escreveu um texto preciso sobre a questão do Bolsa-Família. Vale a pena ler. Eu mesma vou imprimir e distribuir com meus conhecidos. Entre outras coisas ela desmistifica a questão do assistencialismo que tentam imputar ao programa lembrando que na Áustria (oui, primeiro mundo) há bolsas também que acompanham as famílias e viabilizam a regulação social. Legal, né? Mas o principal é a descrição precisa da relevância do programa na vida das pessoas, o impacto na sociedade brasileira e na experiência individual. Se você não se sensibilizar com as palavras dela corra ao cardiologista, tenho a mais absoluta certeza que você não tem coração.

De extrema utilidade foi a série de links que ela colocou no texto, conduziram-me a uma reflexão ainda mais aprofundada. Considero que, nestes difíceis tempos em que a sombra do fundamentalismo, da ignorância e da apatia se apresenta, a informação é útil para colocar tudo no seu devido lugar e realizar o debbate de idéias que é a base do Estado Democrático (e Laico, só pra dar mais uma cutucadinha).

Então, ao trabalho, Borboleta...

Técnica Infalível Para Não Disseminar Boatos. Texto excelente do Blog da Cynthia Semíramis (estou fazendo o possível pra cumprir à risca).

Central de Boatos. Uma lista feita pelo site Seja Dita a Verdade.net de vários boatos mentirosos sobre a Candidatura da Dilma e sobre o PT. Extremamente útil para esclarecer e ampliar a informação.

O que um governo Serra faria com o Pré-Sal, uma reflexão pertinente do professor Adilson de Oliveira da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Efeitos Colaterais. Post citado no texto da Rita e que faz uma análise aprofundada de todos os efeitos do Bolsa-Família de forma consistente, técnica e com vários níveis de discussão. Vale demais, demais, ler e divulgar.

O Voto do Pecado e o Poder Satânico. Texto exclarecedor sobre a onda obscurantista que certas organizaões religiosas querem promover para abalar a campanha de Dilma. Só posso dizer o quanto me dói o retrocesso da Igreja católoca. Quem se lembra da Teologia da Libertação, de Dom Pedro Casadálglia, de Dom Aluísio, dom Helder Câmara, de uma CNBB na década de 90 engajada junto aos movimentos populares só pode lamentar as mudanças promovidas por este novo papa na cúpula da Igreja na América Latina.

Matéria na Carta Maior sobre o manifesto que professores e pesquisadores de Filosofia fazem à Campanha de Dilma. Não preciso nem comentar meu orgulho do posicionamento de professores, né?

Algumas Observações sobre o Bolsa-Família. De novoa Cynthia (virei fã) e de novo clareza e informação.

No blog da Maria Frô uma bela argumentação sobre a ênfase que o tema aborto tem tido neste período eleitoral.

E o blog da Lola, todo, todinho. Especialmente o texto de hoje. É certo que ela extrapola e muitas vezes é até um tantinho agressiva. Mas sua lucidez, coerência e paixão são estimulantes e contagiantes.

A Mídia Comercial Contra Lula e Dilma. Olha aí, Dona Mila, o que a gente estava falando, né? Não saberia te dizer um jornal de grande circulação que não fosse anti-Dilma, viu. É que a Presidente da Associação Nacional dos Jornais declarou que a imprensa é oposicionista ao governo Lula. Eu leio a Carta Maior, parece-me um bom veículo com textos claros, embasados e articulados.

Na seqüência de novas leituras vou atualizando a lista de links, ok?

7 comentários:

HG disse...

Amiga,
Muito importante seu post. Estou lendo cada link e impressionada...
Adorei o texto da Lola!

Beijos

Rita disse...

Oi, Luciana

Obrigada pela divulgação. Estamos juntas, viu? Vou conferir os links que ainda não vi. Hoje uma amiga de Brasília me contou que há importantes posicionamentos dentro de algumas igrejas evangélicas pelo fim da manipulação da fé e pelo voto livre. Se tiver interesse, posso te repassar um texto de um reverendo da segunda igreja presbiteriana de BH - pode ser útil caso você tenha notícia de militância manipuladora entre religiosos aí por onde você mora.

Beijos e bom final de semana,
Rita

Rita disse...

Luciana, manda um e-mail pro estradaanil@gmail.com, por favor, e te envio o texto por e-mail, tá? Não tenho o link.

Rita

Caminhante disse...

Eu mandei um e-mail pra quase toda a minha lista, no início da eleição. Dizia que estava cansada das pessoas erroneamente supor que eu sou de direita, porque elas são e me vêem através de seus esteriótipos. E disse que retiraria da minha lista de contato todos aqueles que insistem em mandar e-mail sexistas, preconceituosos e raivosos achando que isso é informação política.

Deu certo. Uma pessoa cortou relações e não lamentei, porque dela vinham as piores coisas. Também fico irritada e triste.

Glória Maria Vieira disse...

Borboleta! Ai que bacana seu poste, viu?! E já li quase todos os links indicados. Também divulgarei no meu blog. (...)

Já estou farta de tanta sujeira. Farta mesmo, sabe?! Não entendo o ódio mortal que muitos amigos meus tem em relação ao Lula e à Dilma... Porra! Eu vivo dizendo: MINHA GENTE! OLHEM O BRASIL DE ONTEM E OLHEM O BRASIL DE HOJE! Mas a gente só enxerga e ouve o que queremos, né?! Triste...

Borboletas nos Olhos disse...

HG, sou muito fã da Lola.

Rita, os beijos de sempre,

Caminhante, você teve sorte, eu recebo email de gente que nem conheço...

Gloria, é isso aí, que chato tanta sujeira e baixaria. Mas vamos lutando, fazendo, sonhando...

Marieta Poukia disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...