sexta-feira, 24 de setembro de 2010

De Alma Cigana

Como diz a canção, eu não preciso de muito dinheiro, graças a Deus. Quer dizer, eu achava que não precisava. Achava mesmo, afinal meus maiores gastos são com livros e cerveja. Mas fui percebendo, dia a dia, que eu devia ter mais grana. Ou, pelo menos, mais milhas. É que eu tenho um fraco por estradas. Viagens. Percursos. Caminhos. "Mei da rua". O nome que você quiser dar, desde que envolva partidas.

Rodoviária, aeroporto, garagem, não tem importância. O bom mesmo é a hora de ir. Mas, confesso, tenho um fraco pelas rodovias, o asfalto, o ônibus seguindo e aquelas risquinhas no chão entontecendo o juízo e me deixando pronta pro que vier. Sair do lugar, é esse meu mote.

Viajar me faz feliz. A estrada oferece uma oportunidade ímpar: ser cada vez mais eu, sendo menos. Explico. No outro lugar não há expectativas, não há planos anteriores, não há nada, você é o que você estiver sendo. Bom, eu acho isso muito bom.

De alma bandoleira, o que mais aprecio é o deslocamento. Não sou uma viajante culta. Não sou aventureira. Não viajo por negócios. Meu negócio mesmo é estar por aí. Não me pergunte o nome das ruas por onde andei, monumentos que vi, museus que visitei. Não sei. Não me peça pra te dar dicas de um bom restaurante ou de um passeio imperdível. Não sei. Eu simplesmente gosto de tudo, tudo, tudo. O gosto pela estrada não vem de arquivar conhecimentos, prazeres ou informações. Vem de, simplesmente, estar lá, nesse canto que é outro.

Até janeiro, sequer fotografava decentemente. Uma vez, fui a Porto Alegre e dessa viagem tenho duas fotos. Ambas do interior do quarto do hotel em que fiquei. E só. De janeiro pra cá, por amor à máquina que ganhei ou talvez por amizade por quem me deu, sempre registro um bocado de lugares e situações. Mas, admito, esqueço um tanto dessas coisas no cartão de memória. O certo é que as experiências ficam onde gosto que elas estejam: em mim. Não nas lembranças, mas na minha pele, nas palavras que passo a usar, nas ruguinhas ao redor dos olhos que franzi pra ver melhor ou por tanto rir, no jeito de andar, de gesticular, nas idéias que vou construindo.

Cigana, gosto de ir e de voltar. De passar pelo mesmo lugar, que já não é mesmo, nem mesmo em mim. E de ir aonde eu nunca fui, mesmo quando era outra. Dos lugares tantos que me fazem feliz só de estar lá pra que eu possa um dia retornar - ou simplesmente desejar - aos lugares que me fazem feliz só de ter estado lá onde eu pude chegar, fiz uma listinha. Claro. Outra. Seguindo o mote da semana (a propósito, já votou?) das cinco coisas que me fazem feliz.

Então, as cinco cidades que me fazem feliz:

Fortaleza. Lugar de partir. Lugar de chegar. É onde estão os tantos queridos: pai, mãe, manos, amigos, rua da minha infância, becos da minha mocidade. Não há praia como a Praia do Futuro. Não há brisa como a dos meus verdes mares. Não há tristeza como a que sinto na Praia de Iracema e não há mais riso em mim do que na Beira-Mar.

Rio de Janeiro. Meu umbigo foi plantado lá, não há dúvida possível sobre isso. Cheguei já reconhecendo. O cheiro, as cores, o clima, tudo me disse tanto de mim. Uma cidade que nasceu pra ser por enquanto e se fez eterna na impossibilidade de ser. Eu gosto.

Matera. Meu lugar preferido no mundo todo. Tem toda a história em si e nem liga. Acolhe. Promete. Ensina. Indica. É tão estranha a mim que parece espelho. Um mundo escavado em si mesmo. Não há nada tão lindo aos meus olhos nem tão caro ao meu coração.

Pedra Branca. Uma cidadezinha escondida no interior do Ceará, serra e sertão feitos um só. O que tem em Pedra Branca? História. Minha. Outras. Causos de rir. De pensar. Tem andar de pau-de-arara. Tem Pedro Jogador. Tem passa bombom. Tem tanto que nem sei dizer o tanto de mim que é.

Canoa Quebrada. Eu já andei espalhando por aqui que Canoa me faz um bem danado. Quando chego lá tudo fica mais claro, mais alegre, tanta noite, tanto riso, tanto mar. Canoa tem um cheiro de festa que valhamedeusnossasenhora. Canoa é miúda mas tem o mundo todo de todo jeito ali, ao alcance do olho. Um azul que atordoa. Um sol que abraça. Uma noite que promete. Não há medo nem reservas em mim quando estou em Canoa.

Talvez o meu amigo querido dr. Paulinho estrile (adoro essa palavra). Afinal e a São Paulo que eu amei tanto? É verdade. São Paulo é rica e intensa. Mas a maior parte da minha paixão não é tanto por ela, mas porque nela estão estes que amo. O dr. com sua incrível habilidade pra querer bem e o Lemú sendo fofo sempre. Então São Paulo me faz feliz, mas eu ficaria feliz em qualquer canto em que o amor desses dois estivesse.

Eu ia terminar o post aqui mesmo, mas fiquei duvidando: será que consegui transmitir exatamente o que sinto viajando? A ternura, riso, calor, beleza, encanto? Aí lembrei dessa cena com essa música otimista nesse filme maravilhoso (e o menor dos motivos não é porque estão nele Paul Newman e Robert Redford). É assim que me sinto em trânsito. O que te faz feliz assim?



9 comentários:

Lica disse...

Ou est Paris?

Peterson Quadros disse...

E de tempos em tempos surge um texto que você é obrigado a imprimir e levar consigo para “sempre”. É o surgimento de uma ligação tão íntima e profunda com o seu próprio ser que não há como deixá-lo... Também adoro viajar e sinto muitas das coisas que você explicou, inclusive o fato de “esquecer” de tirar fotos. Entre as suas cinco cidades não as conheço, com exceção do Rio (turístico).
E... Sobre a Scarlett e as mulheres que te inspiram... Sobre a menina do E o vento levou, depois do post nasceu para mim, preciso assistir ao filme novamente, porém agora com “novos” e “borboletantes” olhos. A sua admiração por Alice ficou...(sem palavras). Obrigado pelas postagens e um lindo sabado.

HG disse...

Isso é pq vc ainda não conhece Best! Vem... experiência única, garanto!

Caso me esqueçam disse...

por isso que eu gosto daqui; a pessoa mal começa a ler o post e ja se depara com isso: "afinal meus maiores gastos são com livros e cerveja". hehehehe otima!

Caminhante disse...

Adorei o texto. E fez com que eu me sentisse um pouco menos culpada por não gostar de tirar fotos.

so sad disse...

vc foi mais rapida que eu!!! rsrsrsrs
beijo!

ALEX disse...

Pensei em falar algo sobre viagens...

Mas fiquei de "calundu""por não ter citado uma certa cidade,,,

Nem "menção honrosa"?

Um cheiro

Com ciumes

Alex Ramos

Shuzy disse...

Viajar é mesmo maravilhosooO
Areja as idéias, amplia a alma...!

Borboletas nos Olhos disse...

Lica, seria injusto deixar a colorida Roma de fora...quem sabe um dia fço um revival Europa..

Peterson, posso comentar letra por letra o quanto seu comentário me emocionou? olha, convite feito, venha conhecer Canoa e/ou Fortaleza, eu serei guia com prazer. E Matera é na Itália, está próxima de você mais do que de mim...

HG, ah, como eu queria...

Caso me esqueçam, almas irmãs, talvez...

Caminhante, somos duas...

Sa Sad, ainda preciso das indicações de como proceder...

Alex, sem ciúmes, gosto muito de Salvador também.

Shuzy, meu problema é que areja tanto que é capaz de eu ficar sem nenhuma...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...