sábado, 6 de fevereiro de 2010

C'est si bon de partir n'importe ou (III)

Hoje estava saindo fumacinha da minha boca e nao, eu nao estava fumando. Frio mesmo. Paris estava cinza, com nuvens tao pesadas que se arrastam e quase tocam o topo das arvores. E ainda choveu. Como boa cearense, devo dizer que o tempo estava lindo. Ontem ceu azul, sol e tal. Mas hoje, cinza, cinza, eu amei. Os ombrelli coloridos pra la e pra ca, contrastando com a elegancia e sobriedade dos tons marrons e beges mais comuns nas roupas e echarpes...uma beleza. Hoje passemaos de onibus. Pra la e pra ca, so pelo prazer de ver Paris. Caminhamos, tambem, claro. Muito, pra variar. Galeria Lafayette, Igreja da Medalha Milagrosa e outros lugares interessantes e nao tao turisticos. Alem disso, lojas e lojas, chics, finas, glamourosas. Prada, Cartier, Versace...inumeraveis templos do consumo de elite. Finalmente consegui um mapa e vou comecar a estuda-lo agora. Paris tem uma peculiaridade, fico feliz de estar aqui, simplesmente pelo fato de estar aqui. Nao preciso ver muita coisa, fazer muitos registros. Basta um croissant, um quiche, uma echarpe ao vento, uma olhadinha na torre e voila! a felicidade. Ontem cogitei seriamente em vender tudo e passar a vida vendendo tangerina por aqui, mas ja voltei ao meu normal. Lamento que aqui nao tenha uma Fontana de Trevi em que eu possa esparramar moedas que trabalhem pra garantir meu retorno. Bom, farei isso eu mesma. E, enquanto isso, eu devo dizer que a vida eh o Massimo ateh em Paris...

Um comentário:

Aline disse...

Também, amiga, acho liiiindo céu cinza! Kkkkk

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...