quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Para Viver um Grande Amor...

Minha visão sobre grandes amores tem mudado nos últimos tempos, passei de Romeu e Julieta para o casal Nino e Norma Belvedere (O Filho da Noiva). Claro que o grande amor põe brilho no olho e fogo no corpo. Mas eu aprendi que é mais, muito mais do que isso. O grande amor é paciência, cotidiano, segurar na mão, olhar pra frente, sorrir junto, dormir abraçado. É mais para Hary e Sally mesmo...Grande amor é Ulisses e Penélope, é esperar muitos anos, é fugir de rainhas e sereias esperando os braços da única mulher possível. Ou, melhor ainda, grande amor é Príncipe Shah Jahan pela Princesa Mumtaz Mahal, afinal de contas só de dor ele construiu o Taj Mahal. O grande amor está ali, entre a mais solene abnegação e o ridículo mais escrachado...É Tomas e Teresa e a certeza de que o grande amor não é a pessoa perfeita mas aquela a quem não se pode deixar sofrer.

Estava lembrando de “Amor nos tempos do cólera” e pensando que “a gente sofre de teimoso quando esquece do prazer...”. Pensando que sempre há um jeito e um tempo de ficar junto e ser feliz. E que é preciso coragem. E criatividade. Lembro dos dois, já velhinhos, ele querendo-a de uma forma absoluta, ela desejando e temendo, envergonhada e apegada às convenções sociais...Estão, os dois, em um navio de propriedade da companhia dele e ela temendo os passageiros que irão embarcar, velhos conhecidos. Ele, então, consulta o capitão “existe algum meio que permita que um navio navegue sem ter de aportar?”, o capitão responde “sim, coloquemos a bandeira do ‘cólera’ e, havendo doença contagiosa a bordo, não teremos de aportar, exceto para abastecer”, e ele dá a ordem “faça-o”, e assim o fazem. O capitão pergunta “até quando viajaremos sem destino?”. Ele calcula o tempo (anos, dias, horas, minutos, segundos) que esperou para ter a amada consigo e pensa responder com exatidão. Mas percebe que não viverá tanto e responde “até o fim da vida”.

Pensando nesse lance de grande amor, fui dar uma olhadinha no texto do Vinícius e refleti assim:

Para viver um grande amor, preciso é muita concentração e muito siso, muita seriedade e pouco riso — para viver um grande amor. Ora, quem mais sério e concentrado que você? Quantas vezes flagro tua testa franzida em curiosa reflexão sobre tudo e tenho que pedir um sorrisinho, só pra nós dois testarmos se você ainda lembra como é?

Para viver um grande amor, mister é ser um homem de uma só mulher; pois ser de muitas, poxa! é de colher... — não tem nenhum valor. Gostei dessa, ainda mais que você encontrou sua mulherzinha certa, achou sua Teresa (vide Insustentável leveza do Ser...). Então, é certo que você tem valor.

Para viver um grande amor, primeiro é preciso sagrar-se cavalheiro e ser de sua dama por inteiro — seja lá como for. Há que fazer do corpo uma morada onde clausure-se a mulher amada e postar-se de fora com uma espada — para viver um grande amor. Sinto-me segura ao teu lado, confortada e confortável. Sinto-me em outras eras, onde era possível entregar-se sem medo de partidas e desilusões. Sim, eu sei que posso confiar em você.

Para viver um grande amor, vos digo, é preciso atenção como o "velho amigo", que porque só vos quer sempre consigo para iludir o grande amor. É preciso muitíssimo cuidado com quem quer que não esteja apaixonado, pois quem não está, está sempre preparado pra chatear o grande amor. Ai, isso me assusta um pouco, os homens parecem ter uma necessidade de afirmar a independência que às vezes chateia. Que é que tem você estar apaixonado e morrer um pouco quando não estou olhando pra você?

Para viver um amor, na realidade, há que compenetrar-se da verdade de que não existe amor sem fidelidade — para viver um grande amor. Pois quem trai seu amor por vanidade é um desconhecedor da liberdade, dessa imensa, indizível liberdade que traz um só amor. Isso é muito lindo e quase tenho vontade de namorar o Vinícius. Quase. Porque estou vivendo meu grande amor e gosto de ser fiel a você. Fiel aos nossos sentimentos e sonhos. Sinto-me livre quando presa no teu abraço.

Para viver um grande amor perfeito, não basta ser apenas bom sujeito; é preciso também ter muito peito — peito de remador. É preciso olhar sempre a bem-amada como a sua primeira namorada e sua viúva também, amortalhada no seu finado amor. Você já está quase lá, já me olha como quem olha pra primeira e já está se acostumando com a idéia de que serei a última. Você já sabe da velhice que projeto e dos lutos que teremos...

É muito necessário ter em vista um crédito de rosas no florista — muito mais, muito mais que na modista! — para aprazer ao grande amor. Pois do que o grande amor quer saber mesmo, é de amor, é de amor, de amor a esmo; depois, um tutuzinho com torresmo conta ponto a favor... Essa é uma das maravilhas de ser amada por você: mesmo contra sua índole, seu gosto e seu hábito, você me surpreende e cativa com manifestações de afeto como minha gatinha, livros e outras coisitas que não vou desvelar aqui assim...

Conta ponto saber fazer coisinhas: ovos mexidos, camarões, sopinhas, molhos, strogonoffs — comidinhas para depois do amor. E o que há de melhor que ir pra cozinha e preparar com amor uma galinha com uma rica e gostosa farofinha, para o seu grande amor? Pronto, ta vendo como estamos mesmo (e já faz tempo) vivendo nosso grande amor? A cozinha e o cozinhar já se tornaram formas de cuidado e afeto. Ah, peixe, peixada, camarão...

Para viver um grande amor é muito, muito importante viver sempre junto e até ser, se possível, um só defunto — pra não morrer de dor. É preciso um cuidado permanente não só com o corpo mas também com a mente, pois qualquer "baixo" seu, a amada sente — e esfria um pouco o amor. É preciso aceitar a si e ao outro, cuidar da relação e preocupar-se com ficar junto e ser feliz. É importante, tai o Vinícius que não me deixa mentir, aceitar que a gente quer mais é se amar, dormir e acordar no mesmo lugar, pois a distância não faz bem ao amor. Bom é pegar, cheirar, tocar, olhar...

Há que ser bem cortês sem cortesia; doce e conciliador sem covardia; saber ganhar dinheiro com poesia — para viver um grande amor. Um passo a mais e você vai ser não só perfeito pra mim, mas perfeito mesmo para o amor (ai, já to com ciúme).

Mas tudo isso não adianta nada, se nesta selva obscura e desvairada não se souber achar a bem-amada — para viver um grande amor. Que sorte a sua eu estar disponível, hein?


PS. Qualque dia desses me detenho nos pares românticos que aquecem minha imaginação: Donald e Margarida, Tristão e Isolda, Reth e Scarlett, A Bela e a Fera e por aí vai...

5 comentários:

Silvia Varela disse...

que lindo tudo isso!!!!!!!!!

ALEX disse...

Alvíssaras seja bem vinda.

Agora acredito que para viver Um Grande Amor a Equação é mais complicada..

Um cheiro Alex

Aline disse...

Tem coisas que você diz que meu comentário só pode ser assim: você é linda, você é um amor! rsrs beijo!

Nara disse...

Eu penso é muito que o PH tem sorte hahahaha. E nós além de disponíveis estávamos dispostas! Beijossss!

Dani disse...

Eu amo você porque você é toda amor!
Lindo! adorei!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...