sexta-feira, 3 de julho de 2009

Saudade, negócio complicado

Eu vivo dizendo (e escrevendo) ai, que saudade! tô com saudade! Sinto saudade de você! e todas as outras variações sobre o tema possíveis. Mas, hoje, resolvi me inquietar com isso. Não, não estou incomodada por sentir nem expressar a falta que sinto de você. É sobre a própria saudade este texto.

Uma coisa que achei interessante, pesquisando a saudade por aí, é que esa palavra foi escolhida por mil tradutores profissionais como a sétima mais difícil de traduzir em todo o mundo. Sabe quais são as campeãs? A primeira é ilunga, uma palavra do idioma africano tishiluba que significa: uma pessoa que está disposta a perdoar quaisquer maus-tratos pela primeira vez, a tolerar o mesmo pela segunda vez, mas nunca pela terceira vez. A segunda é shilimazi, idiche, que significa uma pessoa cronicamente azarada. Enfim, estas palavras peculiares recebem a classificação de idiotismo linguístico. Pra você ver como o amor deixa a gente mais besta, eu sinto por você um idiotismo...

No Houaiss, saudade é o sentimento mais ou menos melancólico de incompletude, ligado pela memória a situações de privação da presença de alguém ou de algo, de afastamento de um lugar ou de uma coisa, ou à ausência de certas experiências e determinados prazeres já vividos e considerados pela pessoa em causa como um bem desejável. Sim, sinto-me incompleta sem você, às vezes em uma festa ou mesmo em casa trabalhando vejo-me a lhe procurar por perto pra comentar uma bobice qualquer. É certo que preciso de você. E sinto isso, claro, conforme o dicionário, não sou eu que estou dizendo, porque você já me fez e faz feliz. A separação me priva dessa felicidade que só posso recordar quando estamos distantes. Ah, prazeres desejáveis! Como a frase de Coelho Neto; a casa da saudade chama-se memória: é uma cabana pequenina a um canto do coração. O problema é que tanto tempo longe, por tanto tempo, está fazendo a cabaninha virar mansão. A saudade tá fazendo latifúndio no meu coração.

Descobri, também, que saudade só é conhecida em galego-portugues e descreve a mistura dos sentimentos de perda, distância e amor. A palavra vem do latim "solitas, solitatis" (solidão), na forma arcaica de "soedade, soidade e suidade" e sob influência de "saúde" e "saudar". Sim, sinto-me só. E é porque sou querida e cuidada. Mas falta sempre. Falta você. Sim, Florbela tinha razão, longe de ti são ermos os caminhos, longe de ti não há luar nem rosas, longe de ti há noites silenciosas, dias sem calor, beirais sem ninhos.


Sim, sinto saudade. Tenho vontade de cantar um fado. Vontade de abandonar tudo e sair correndo pros teus braços (mas ia ser meio cansativo pois são mais de 200km). Eu não me importo de sentir saudade já que eu me importo com você. Mas não gosto de sentir tanta saudade por tanto tempo. Gosto de ficar juntinho com você, falando coisas de amor mais do que escrevendo.

3 comentários:

Liana disse...

tá, mas essa não é tu...

Contra a Maré disse...

Fiz um post pra tu. Gostei dessa moda de comentar post com post rsrsrs

Aline disse...

Lindo, lindo, lindo!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...