segunda-feira, 29 de junho de 2009

Felicidade

Felicidade é estar contigo e viver todas as estações do amor. E o mais bonito é saber que elas se substituem numa continuidade que apenas fenômenos naturais podem ter, mas que metamoforizamos pro nosso viver, que viver é muito perigoso sem metáforas. Te amar é verão, praia, luz, calor...é pouca roupa, dias longos, suor na pele. O verão do nosso amor sempre traz uma inquietação, vontade de fazer coisas juntos, pede movimento e nós saímos por aí grudados, o mundo a conhecer, transformar, bulir. O verão no nosso amor é todo dia que sobra roupa, falta tempo, pede riso, correria, alegria. O verão é a época da fartura, manga escorrendo na face, frutos por todos os lados. È a plenitude, vida pulsando no corpo e no ar. E tem as tempestades. Chuvas e chuvas que nublam o tempo pra gente apreciar mais a "quintura do dia a dia. Viver verão com você me faz feliz.

Nosso amor também tem inverno, mesmo que o Nordeste não tenha: abraço, dois juntinhos dividindo cobertor, chocolate quente, ficar de bobeira na janela, refletir. O inverno tem dias mais curtos, logo, noites mais longas, mais tempo pra gente se procurar e se descobrir. Te amar é inverno, companheirismo, contato, presença. O inverno do nosso amor traz períodos escuros, algumas dores, perguntas, incertezas. É o tempo da gente se olhar no olho e olhar o mundo e ver que no olho do outro o mundo é mais bonito e desejável. Inverno é resistência, permanência, constância. Sinto isso ao teu lado, neve por todo lado e nosso abraço no meio, feito cartão postal. O inverno no nosso amor é todo o dia que escolhemos ficar juntos, ficar sós, aquecer a cama, fazer comidinha pra partilhar, segurar na mão, apoiar. Viver inverno com você me faz feliz.

E chega a primavera. Cor. Flores. Promessas. Recomeço. Época da reprodução e da construção dos ninhos. A primavera anima, incentiva, provoca. É na primavera que a temperatura vai, aos poucos, aumentando. Não preciso nem comentar esta metáfora, né? A primavera do nosso amor traz o riso fácil, a vontade de andar de mãos dadas, de ir ao cinema, de cutucar uma ao outro, de não pensar nem planejar. É o tempo em que a gente rodopia nos encontros com amigos, tem idéias, é o tempo em que, não botando meninos no mundo, botamos experiências. É a primavera do nosso amor que me faz querer casar, construir ninho. Cecília anunciou: "A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la." Que prazer eu sinto ao nos preparar pra primaveras que nos acompanham. A primavera no nosso amor é todo dia que, sabendo das dores e dificuldades, vemos no outro a cor, a perpetuação, a vitalidade, a possibilidade. A primavera no nosso amor é todo dia que nos oferecemos um ao outro em uma explosão de vida e continuidade. Viver primavera com você me faz feliz.

Outono. Talvez minha estação preferida (ainda estou tentando descobrir o porquê). Talvez porque seja o tempo das colheitas. de ver o resultado de tanta alegria, reflexão e promessas. É o tempo da certeza. Do encontro. Tempo em que folhas e frutos estão maduros. Plenos. Outono é tempo das cores insuspeitas, dos cheiros inusitados, das belezas reveladoras. Como te amar, que é intenso e sempre novo. Surpreendente. O outono no nosso amor traz as mudanças, os grandes passos, a safra que sacia. Traz a confirmação da finitude, a vontade de viver intensamente a vida tão transitória. E traz, também, a paz terna do que já foi vivido em abundância. Como me sinto carinhosa ao pensar em ti, que vontade de te acalentar e acariciando teu rosto afugentar medos e dores, mostrar a beleza dos fins que indicam que aproveitamos o bom e estamos prontos pra mais. O outono no nosso amor é síntese de todas as felicidades miúdas do dia a dia. O outono no nosso amor é todo o dia e o dia todo que reconhecemos a sorte, o talento e a alegria de nos reconhecermos um pro outro, é todo momento em que nos escolhemos, arrebatados de paixão ou ternamente conscientes da passagem do tempo. O outono no nosso amor é não ter medo do amanhã, de envelhecermos juntos, de trocar de pele e de sonhos. Viver outono com você me faz feliz.

Todas estas estações às vezes são também como estações de trem, onde decidimos se queremos ou não prosseguir, se queremos ficar ou seguir. E, em cada parada, eu te proponho, como Roberto Carlos: Eu te proponho nós nos amarmos, nos entregarmos, nesse momento tudo lá fora deixar ficar. Eu te proponho te dar meu corpo, depois do amor o meu conforto. E além de tudo, depois de tudo, te dar a minha paz. Eu te proponho na madrugada, você cansado, te dar meu braço e no meu abraço fazer você dormir. Eu te proponho não dizer nada, seguirmos juntos a mesma estrada, que continua depois do amor, ao amanhecer.

3 comentários:

Danielle disse...

O amor é lindo!

Contra a Maré disse...

Esse é um post ecológico, meteorológico e astronômico. Ciência pura.

Liana disse...

viu, Évio, quando ela não é piegas, é poesia pura...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...